23/06/2017 1:14
DESTAQUES

Noticias Gospel

O Cristão e a Política – Parte I ” Pastor Silas Malafaia”

Programa Vitória em Cristo (10/09/2016) -

PRESIDENTE DA ASMEMAT DISCURSA EM EVENTO.

PASTOR ADMIR PRESIDENTE DA ASMEMAT, DISCURSA  EM EVENTO  E FALA DA ASMEMAT ” ASSOCIAÇÃO DE MINISTROS EVANGÉLICOS DE MATO GROSSO” 

A REUNIÃO DOS EVANGÉLICOS DE VÁRZEA GRANDE MT. COM A CANDIDATA A RELEIÇÃO E PREFEITA DE VÁRZEA GRANDE LUCIMAR SACRE DE CAMPOS.

 

 

 

Fiéis se emocionam em shows de música gospel na Marcha para Jesus

cantoras de música gospel durante a 24ª edição da Marcha para Jesus emocionou uma multidão de fieis nesta quinta-feira (26) em São Paulo, feriado de Corpus Christi. Segundo os organizadores, passaram pelo evento mais de 3 milhões de pessoas. A Polícia Militar não tem número de pessoas. Em 2015, o evento reuniu 340 mil pessoas, segundo dados da Polícia Militar. Os shows devem prosseguir até as 21h30 na Praça Heróis da FEB, na Zona Norte da capital paulista.

Milhares de fieis se reuniram na região da Luz por volta das 10h em torno dos trios elétricos onde artistas da música gospel se apresentam. Após as 11h, a Marcha seguiu em direção à Praça Heróis da FEB, perto do Campo de Marte, onde um palco foi montado. O evento é organizado pela Igreja Renascer em Cristo.

De acordo com a organização, 500 denominações cristãs participam do evento este ano.

As apresentações de Soraia Mendes e Gabriela Rocha e Damares levaram vários fiéis às lágrimas. Ainda se apresentam nesta quinta Renascer Praise, Thalles Roberto, Ao Cubo, Leonardo Gonçalves, Bruna Karla, Kastbarnea, Banda Dopa, Marcelo Aguiar, Soraya Moraes, Ministério Perdas Vivas, Eyshila, Gui Rebustini, Filipe Lancaster, Juliana Santiago, Flordelis, Aline Barros, Nana Shara, Brás Adoração, Milena e Xuxu e Tonzão.

Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)
Cantora gospel Soraia Mendes se apresenta na Marcha para Jesus (Foto: Flavio Moraes/G1)Cantora gospel Soraia Mendes se apresenta na Marcha para Jesus (Foto: Flavio Moraes/G1)
Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)
Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)
Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)

 

Há dez anos frequentando a Marcha para Jesus, Cirlenita Marques, de 65 anos, traz seus filhos e netos para acompanhar o evento. “Meus netos marcharam dentro da barriga e meia filhos sempre vêm comigo. Isso aqui é, principalmente, para agradecer. A gente marcha por nós e pela família para ficar mais próximos de Jesus, recebendo suas bênçãos. Eu espero que todo esse amor chegue ao coração de todas as pessoas para declarar Jesus.”

Este é o primeiro evento que Luana Martins de Souza, de 31 anos, acompanha. Ela trouxe os três filhos para prestigiar o show do cantor gospel Thales Roberto. “É um evento grande e é para adorar o Senhor. Trouxe meus filhos para ficarmos mais próximos de Deus e mostrar a fé para as pessoas. Eu quero ficar até o final e assistir a todos os shows”, afirma.

 Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Fiéis se emocionam na Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)
Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)
Marcha para Jesus (Foto: Flavio Moraes/G1)Marcha para Jesus (Foto: Flavio Moraes/G1)
Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)
Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)
Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Marcha para Jesus em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)
Marcha para Jesus 2016, em São Paulo (SP), nesta quinta-feira (26) (Foto: Newton Menezes/Futura Press/Estadão Conteúdo)Marcha para Jesus 2016, em SP, nesta quinta-feira (Foto: Newton Menezes/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Marcha para Jesus reúne multidão em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Marcha para Jesus reúne multidão em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)
Marcha para Jesus 2016, em São Paulo (SP), nesta quinta-feira (26) (Foto: Newton Menezes/Futura Press/Estadão Conteúdo)Marcha para Jesus 2016, em SP, nesta quinta-feira (Foto: Newton Menezes/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Cirlenita Marques, de 65 anos, foi ao evento com filhos e netos (Foto: Gabriela Gonçalves/G1)Cirlenita Marques, de 65 anos, foi ao evento com filhos e netos (Foto: Gabriela Gonçalves/G1)
Público na Marcha para Jesus, em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)Público na Marcha para Jesus, em São Paulo (Foto: Flavio Moraes/G1)

Venda dos ingressos do filme 10 mandamentos gera filas

Começaram nesta sexta (1°), a venda de ingressos para a estreia do filme Os Dez Mandamentos, que entra em cartaz dia 28 de janeiro, em todo o Brasil. Milhares de pessoas procuraram garantir a entrada para assistir à história de Moisés e a saga do povo hebreu.

ASMEMAT ” ULTIMA REUNIÃO DE 2015″

ULTIMA REUNIÃO DA ASMEMAT ” ASSOCIAÇÃO DE MINISTROS EVANGÉLICOS DE MATO GROSSO ”

FOI TREMENDO. REALIZADO NO DIA 21/11/2015. NA IGREJA PLENO AMOR DO ALVORADA CUIABÁ.

VÁRIOS IRMÃOS ESTAVAM LA, APOS A REUNIÃO TEVE UM DELICIOSO ALMOÇO.

ASMEMAT UNIDOS NO CORPO DE CRISTO

 

Comissão aprova estatuto que define família como união entre homem e mulher

“Reconhece-se como família, base da sociedade, credora de especial proteção, a entidade família formada a partir da união de um homem e de uma mulher, por meio de casamento ou de união estável, e a comunidade formada por qualquer dos pais e seus filhos”, destaca o texto.

Sem sucesso nos requerimentos de adiamento de votação – 21 deputados presentes na comissão compõem a chamada bancada evangélica e fizeram uníssono ao texto apresentado – o grupo já decidiu apresentar um recurso para levar o texto ao plenário da Câmara.

A proposta tramitava em comissão especial em caráter terminativo e seguiria direto para o Senado. Com o recurso, agora ela precisa passar pelo plenário da Câmara. A pauta é responsabilidade do presidente Eduardo Cunha.

A intenção da bancada evangélica é votar a proposta no dia 21 de outubro, quando é celebrado o Dia Nacional da Família.

Integrantes do Fórum LGBT do DF acompanharam a votação e protestaram contra o estatuto. Eles seguraram bandeiras e cartazes com os dizeres: “Se nasceu mulher, coloca a burca. Se nasceu negro, coloca a algema. Se nasceu LGBT, apedreja. Como pode tanto retrocesso na casa “do povo?” e “Quer justificar o ódio e legitimar o preconceito!”

Embora em minoria, os quatro únicos deputados contrários à proposta – Érika Kokay (PT-DF), Maria do Rosário (PT-RS), Glauber Braga (PSOL-RJ) e Bacelar (PTN-BA) – usaram todos os instrumentos regimentais possíveis para protelar o quanto possível a discussão.

Eles se posicionaram por diversas vezes, alegaram intromissão e desrespeito à Constituição e aos direitos humanos. A intenção do grupo era levar a sessão até 12h, horário marcado para o início da ordem do dia. O regimento da Câmara estabelece que todas as votações em andamento sejam encerradas com o início dos trabalhos no plenário.

Contudo, em operação combinada com o presidente, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que avaliza o projeto, a ordem do dia foi adiada. Na quarta (23), Cunha havia agendado as votações desta quinta para 12h, mas contatado pelo presidente da comissão especial, Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ), só iniciou apreciação em plenário após o fim dos trabalhos na comissão.

PROPOSTA
O relatório do deputado Diego Garcia (PHS-PR), apresentado no início de setembro, além de trazer a definição da entidade familiar, não se volta às demais relações de parentesco, como avós que criam netos, nem de guarda ou tutela, sob argumento de que “já gozam da proteção específica prevista em leis respectivas”.

Garcia justifica, no texto que, por se tratar de uma proposta de lei comum, não poderia ir de encontro ao que estabelece a Constituição. Ele invoca o artigo 226, segundo o qual “para efeito de proteção de Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento”.

No trecho seguinte, a Constituição também considera entidade familiar “a comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes”. Para o relator, a Constituição já garante, em seu artigo 5º, proteção a todo cidadão e, para novos agrupamentos humanos, pode haver novas propostas.

Em 2011, o STF (Supremo Tribunal Federal) reconheceu por unanimidade a equiparação da união homossexual à heterossexual. Embora não fale em igualdade, mas em equiparação, o STF entendeu que a Constituição não exclui outras modalidades de entidade familiar.

Na prática, a decisão viabilizou a homossexuais direitos como pensão, herança e adoção. Contudo, não é equivalente a uma lei. O artigo 1.723 do Código Civil estabelece a união estável heterossexual como entidade familiar. O Supremo estende este reconhecimento aos casais homoafetivos.

O Estatuto da Família critica a decisão do STF, a quem acusa de “usurpação da função constitucional” com o entendimento sobre casamento homoafetivo.

“Observamos diuturnamente hipóteses em que o poder Judiciário, para além de resguardar direitos, cria-os para além de suas funções constitucionais. Já não é sem tempo a necessidade de restaurar o equilíbrio constitucional: o Parlamento delineia o direito e o judiciário – óbvio que não de modo mecânico – faz os direitos assegurados pelo parlamento valerem na ordem do dia”, destaca o texto.

Diego Garcia ainda completa: “Mesmo que o casamento de pessoas do mesmo sexo possa ser uma ideia a ser considerada, essa decisão não compete ao judiciário. Sob a Constituição, juízes têm o poder para dizer o que é a lei, e não como deveria ser”.

A proposta trata de diretrizes e políticas públicas voltadas para atender a entidade familiar em áreas como saúde, segurança e educação e cria Conselhos da Família, órgãos encarregados de tratar dessas políticas públicas.

Para os parlamentares contrários à proposta, esses conselhos podem ser um instrumento de exclusão de outras formações familiares que não as estabelecidas no estatuto.

A votação estava prevista para semana passada, mas foi concedida vista coletiva, uma manobra regimental dos poucos integrantes contrários ao texto para protelar o quanto possível a apreciação da proposta.
DISCUSSÕES
O momento mais tenso da sessão ocorreu quando o deputado Takayama (PSC-PR) que, mesmo sem integrar a comissão, acompanhou todo o debate desta manhã e atacou os manifestantes. Irritado, ele chegou a se levantar. “Não se pode aceitar que homem com homem faz família”.

O grupo LGBT respondeu o parlamentar, chamou-o de “homofóbico” e voltou a levantar os cartazes e as bandeiras da causa LGBT.

A cada fala favorável a proposta, um dos quatro deputados contrários tentava se posicionar. Para Érika Kokay, a sessão desta quinta “tem caráter histórico” porque vai comprovar “se vamos caminhar para as trevas ou se vamos assegurar os direitos de todos”.

“Quando se restringe o direito a família a apenas parte da população brasileira, estamos dizendo que a família não é importante para o ser humano. Esse relatório é um golpe aos direitos e à Constituição brasileira, quando se está querendo impetrar aos direitos concepção de família única. Família muda de acordo com a família de hoje não é a mesma de 30, 40 anos atrás. Não posso reduzir, engessar, esterilizar a família das relações de afeto e amor”.

Também contrário à proposta, o deputado Bacelar (PTN-BA) criticou o que ele considera uma intervenção da proposta. “Quem deu poder ao Estado para dizer qual o tipo de família, conceituar, dizer qual a relação afetiva pode ser família ou não?”. Na semana passada ele apresentou uma emenda, rejeitada pelo relator, para tentar alterar e flexibilizar a definição de família prevista no texto.

Para o pastor Eurico (PSB-PE), o estatuto não representa um desrespeito ao movimento ativista homossexual. “Respeitamos as pessoas, mas não respeitamos o sistema que eles estão querendo implantar aqui”, afirmou e também foi vaiado pelo grupo LGBT.

Ex-ministra da Secretaria de Direitos Humanos da presidente Dilma Rousseff, a deputada Maria do Rosário disse que a comissão age contra os direitos fundamentais. “Quem são vossas excelências para julgar quem quer que seja? Que religiosidade é essa que fere o princípio do Estado laico, a lei?”

Rosário criticou o relatório de Diego Garcia e gerou novo bate boca. “Seu relatório é péssimo e eu o lamento. Ele não está à altura da legislação sobre família no Brasil. Tenho vergonha desse relatório e acho que a Câmara dos Deputados é melhor que isso e pode analisar com mais rigor as matérias. Os senhores representam aqui princípios absurdos, uma situação fundamentalista, não religiosa, mas que quer dobrar cada brasileiro a fé que dizem ter como uso no processo eleitoral para auferirem votos”.

A deputada completou ainda que, caso o texto venha a ser aprovado pelo plenário da Câmara e passe também pelo Senado, ela pretende recorrer ao STF contra o texto.

Para Silas Câmara (PSD-AM), “a maioria se manifestou a partir da sua consciência daquilo que representa o melhor para o país”. “Não tem país perfeito, mas não tem país bom sem respeitar a família. Tenho a impressão que muito do que está acontecendo com o país neste momento tem a ver com o seu governo maior virar as costas para Deus e para a família”, completou.

Evandro Gussi (PV-SP) acusou os deputados que se colocaram contra o estatuto de não lerem o relatório de Diego Garcia. “É racional, jurídico, de ciência. Estamos aqui para cumprir a Constituição que não instituiu a relação da família como união entre homem e mulher. A constituição reconheceu um dado que é da natureza. Porque o afeto não é critério constitutivo de família”.

Fonte: Blog do Antero

Shows de música gospel animam público da Marcha para Jesus em SP

Shows de música gospel animaram o público que participou da Marcha para Jesus 2015, em São Paulo, nesta quinta-feira (4), feriado de Corpus Christi. O evento é liderado pela Igreja Renascer em Cristo sob o tema “Exaltando o Rei dos Reis” e é comandada pelo apóstolo Estevam Hernandes.

Milhares de fiéis se reuniram na Praça Heróis da FEB, na Zona Norte de São Paulo, para orar e se divertir com apresentações como a do rapper gospel Pregador Luo. “É um privilégio passar a palavra de Deus para tantas pessoas”, disse. “Já sofri muito preconceito e ainda sofro. Mas sigo cantando a minha música para as pessoas que entendem a mensagem”, disse o cantor, que já fez parceria com o grupo Racionais MCs.

A organização não divulgou números, mas esta é considerada a maior marcha já realizada em São Paulo, segundo bispos ouvidos pelo G1.  Segundo a PM, 340 mil pessoas participavam neste ano às 12h –horário de maior movimento. Em 2014, a corporação estimou o público em 200 mil. “Com certeza tem muito mais gente que no ano passado”, disse o bispo Geraldo Tenuta Filho, o Bispo Ge, um dos responsáveis pelo ato.

Público canta no show do rapper Pregador Luo (Foto: Carolina Dantas/G1)Público canta no show do rapper Pregador Luo (Foto: Carolina Dantas/G1)

A banda de axé gospel Dopa foi outra atração. Durante a apresentação, chamou atenção a performance da bailarina Caroline Bastiani Marrul. “Sou formada em balé clássico e graduada em dança. Mas há seis anos acompanho a banda. Como não tem teoria, aprendi na convivência da igreja. Tiramos a sensualidade e mantivemos a alegria.”

Pregador Luo cantou na Marcha (Foto: Carolina Dantas/G1)Pregador Luo cantou na Marcha (Foto: Carolina Dantas/G1)

Caminhada
A marcha teve também carros de som, shows musicais e uma longa caminhada desde a Praça da Luz até a Heróis da FEB. No início da manhã desta quinta, os trens do Metrô ficaram completamente lotados de fiéis. A Estação Luz, na Linha 1-Azul, foi tomada por passageiros que cantavam refrãos de músicas religiosas ao desembarcarem.

Dancarina é integrante da banda de axé gospel Dopa (Foto: Carolina Dantas/G1)Dancarina é integrante da banda de axé gospel Dopa (Foto: Carolina Dantas/G1)

No percurso, os participantes passaram pelas avenidas Tiradentes, Santos Dumont e pela Praça Campos de Bagatelle. A participante Mônica Alves do Nascimento, de 36 anos, da Freguesia do Ó, levou o filho Heitor, de apenas 8 meses, para agradecer por ter conseguido engravidar. “Esse aqui é o resultado de quatro endometrioses. O médico disse que eu não ia engravidar de novo. Em 2013, eu vim com a minha filha e nós dissemos que, em 2014, eu já viria grávida. Foi o que aconteceu. Hoje eu trago ele pra agradecer”, afirmou.

Mônica levou filho de oito meses para a Marcha para Jesus (Foto: Letícia Macedo/G1)Mônica levou filho de oito meses para a Marcha para Jesus (Foto: Letícia Macedo/G1)

Um grupo da Igreja Renascer, com sede na Mooca, Zona Leste da capital paulista, costuma colocar pedidos e agradecimentos nos tênis durante a Marcha pra Jesus. Cerca de 50 jovens vieram de Metrô e acompanharam os shows. O comprador Roberto Stocovick, de 38 anos, é um dos líderes. “Viemos para honrar o nome de Jesus, aquele que nos abençoa e nos dá a graca. Em um dos tênis colocamos os pedidos e no outro, os agradecimentos”, explicou. A mulher dele, Raquel Stocovick, 30, também trouxe as mensagens nos tênis. “Essa é a 12ª vez que participo. Fazemos pedidos para ter experiências com Deus. Esse ano não ia ser diferente”, afirmou.

Fonte’ G1

Arca de Noé será construída nos EUA, com auxílio de US$ 18 milhões de incentivo ao turismo

O parque ficaria em Williamstown, estado do Kentucky (EUA), que concedeu uma “aprovação prévia” para o projeto, a partir de sua secretaria do turismo.

A arca de tamanho real ganharia o incentivo através da restituição de imposto de vendas, retido 3 anos depois que o parque fosse aberto ao público.

“Um estudo será realizado para determinar se o pedido preenche todos os critérios exigidos pela lei”, disse Gil Lawson, porta-voz local do setor de turismo.

Logo depois que o projeto “Encontro Arca” for estudado, será apresentado às autoridades cabíveis e ainda passará por uma audiência pública, segundo Lawson.

O porta-voz também explica que não é necessária uma aprovação legislativa para a ideia, por se tratar de um incentivo voltado ao turismo.

O projeto foi concebido pelo Answers in Genesis (AIG ou “Respostas em Gênesis”, em inglês), grupo criacionista e apologético cristão que supervisiona o Museu da Criação em Petersburg, também no Kentucky.

Embora tenha conseguido a aprovação preliminar do projeto agora, o AIG já batalha contra controvérsias há algum tempo para levar a ideia adiante.

Ken Ham, chefe do Museu da Criação conta que questões butocráticas decorrentes de contratos de construção geraram atrasos desde 2011.

“Leva muito tempo para obter algumas licenças e estamos realmente esperando em alguma das autorizações formais”, relata Ham.

O CEO do museu também consta que “todo o equipamento pesado” será conduzido ao local do futuro parque nesta semana, para dar os primeiros passos, que a aprovação preliminar permite efetuar.

Para completar, Ham indica que espera “todos os tipos de acusações de secularistas” contra a arca, para recuarem com o projeto.

Uma das críticas veio pelo blog do grupo secularista Americans United, onde o ativista Rob Boston diz que a arca é “claramente destinada a promover a visão fundamentalista da Bíblia, visto que está nítido o contraste com a ciência moderna”.

Fonte: christianpost.com